Acordos sobre o Brexit podem parar devido à uma disputa que dura três séculos

Reino Unido e Espanha possuem uma disputa por um pequeno território, que já dura mais de três séculos e que pode travar os projetos da primeira-ministra Theresa May, para auxiliar empresas que precisam passar pela saída do Reino Unido da União Europeia.

O receio é de que a Espanha ameace suspender uma das etapas de transição da saída do Reino Unido, se Theresa May se negar a discutir um acordo separadamente com o governo espanhol sobre o destino do território de Gibraltar, que é o alvo da disputa entre os dois países. Desde 1713, que a península está sendo controlada pelos britânicos, mas mesmo assim a Espanha reivindica o pedaço de terra com 6,7 km².

Os ministros britânicos têm medo de que para a próxima etapa dos acordos do Brexit, que deve ser definida pela UE

(União Europeia), possa reacender essas discussões antigas entre os dois países. A primeira-ministra está sendo forçada a negociar rapidamente sobre as condições de transição, que vão  afetar diretamente as empresas  que possuem as suas sedes no Reino Unido, visando garantir que acordos comerciais não sejam modificados bruscamente em março de 2019, no dia previsto para o Brexit.

A intensão da primeira-ministra é que até março de 2018, ela consiga fechar uma negociação para a etapa de transição, onde as transações comerciais futuras com um prazo prolongado, possam apresentar regras que representem um incentivo para que as empresas, permaneçam com suas sedes nos países do Reino Unido.

Há alguns dias, Mariano Rajoy, primeiro-ministro espanhol, declarou que o seu governo teria que dar uma autorização específica, para qualquer negociação que possa atingir o território de Gibraltar. Seria necessário para isso, que o assunto fosse resolvido de forma separada entre os dois países.

De acordo com um membro do alto escalão da União Europeia, o Brexit não iria abranger Gibraltar. Mas se houver uma negociação separada entre os dois países, a solução dessa questão vai ficar por conta deles.

A primeira-ministra Theresa May recebeu diversos pedidos de membros do Parlamento, para que o Brexit e as negociações do período transitório não deixassem Gibraltar fora do acordo, sendo que May garantiu que isso não aconteceria.