Segredo de uma vida mais longa pode estar no nosso comportamento

Nos últimos anos, a ciência que estuda a longevidade deu um grande passo para tentar descobrir se existe uma relação ou não, entre o comportamento e uma vida mais longa, já que até pouco tempo atrás não se tinha meios para se investigar isso.

Com as descobertas feitas pela pesquisadora australiana e ganhadora do prêmio Nobel, Elizabeth Blackburn, revelou uma parte do DNA que chamou a atenção dos pesquisadores em todo o mundo, os chamados  telômeros  que ficam nas pontas dos cromossomos.

Segundo o geriatra Emílio Moriguchi, o telômero é a porção do DNA que quando as células vão aumentando a sua quantidade, o telômero vai ficando cada vez menor. Os estudos já mostraram que quando ele atinge um certo tamanho, a célula não se multiplica mais, fazendo com que essa célula acabe morrendo.

Os telômeros não apresentam combinação genética, mas eles fazem a proteção do DNA e são muito significativos a cada fracionamento da célula. Alguns dos fatores que diminuem os telômeros e acabam afetando a longevidade, são a gordura abdominal, mas também o pessimismo, a desconfiança em relação às outras pessoas, a raiva, os ressentimentos e os pensamentos negativos.

Segundo o geriatra, famílias que convivem unidas e felizes possuem a diminuição do telômero de maneira mais lenta, segundo um artigo sobre esse tema. Um projeto está sendo realizado pelo setor da geriatria e da pediatria, já que eles estavam estudando as crianças, os membros da família e todas as gerações ligadas, o que interessou aos geriatras e a pesquisa começou a ser feita pelos dois grupos.

O estudo se chama Projeto Quatro Gerações e irá observar famílias desde os bisavós, avós, pais e filhos durante um longo período. Os estudos vão ser realizados através de exames e medidas, além de entrevistas para que os pesquisadores possam descobrir informações como a alimentação e os exercícios feitos por eles. Eles também vão estudar as atitudes deles e como eles enfrentam o seu dia a dia, irão tentar avaliar as suas atitudes e heranças genéticas, como também se existem problemas de relacionamento verificando se existe harmonia entre os membros da família. Com isso os pesquisadores vão poder estar mais cientes, de como a vida dessas realmente é durante o período em que essa pesquisa é feita.